Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

13/05/14

Plim, a nova app da Caixa

 

O Plim é uma nova app da Caixa Geral de Depósitos que permite pedir e receber pequenos pagamentos de amigos ou conhecidos usando os contactos do smartphone. Apanhei a referência à nova app no twitter da Meios & Publicidade, pus logo o vídeo explicativo a correr e bastaram os primeiros segundos para perceber o potencial da aplicação. Ainda não deu para testar com ninguém, mas se funcionar tão bem quanto o vídeo sugere, é algo que me vejo a usar no meu dia-a-dia, sobretudo naquelas situações em que temos um amigo a comprar qualquer coisa por nós e não temos imediatamente como lhe pagar de volta.

 

Não faço ideia de quanto tempo demorou a desenvolver e vender isto à CGD (segundo a Meios & Publicidade, o desenvolvimento esteve a cargo da Innovagency, Armis e IT Sector), mas adorava saber mais. Por outro lado, mostra bem como estamos necessitados de inovação na área dos pagamentos. Os bancos, para começar, estão numa posição privilegiada: são os melhores colocados para puxar por mais inovação e o maior obstáculo a colocar-se no seu caminho. Pode ser que aqui o Plim venha ajudar a mudar isso.

23/02/14

como saber quando alguém não usa o seu próprio serviço

 

Quando desenhas uma app:

 

1) para ser facilmente consultada por pessoas na rua, "on the go";

2) com pressa para apanharem um transporte público, que pode ou não estar a chegar à paragem mais próxima;

3) e, certo dia, decides informar essas pessoas, ao abrirem a app, sobre a tua vontade de "mudar de imagem";

4) sempre que a app é aberta

 

É porque não usas a app que desenhaste.

27/12/13

5 apps de 2013


 

Os atalhos do ecrã inicial do meu iPhone, em dezembro.

 

Tweetbot (site)

 

Se hoje voltássemos à idade dos tijolos ao ouvido e só pudesse utilizar uma app no telemóvel, seria o twitter, que se tornou, para usar a analogia de alguém, uma espécie de caixa de comentários em tempo real da internet. O twitter é o sítio que espreito em primeiro lugar quando algo acontece e quando não está a acontecer nada (na fila das Finanças, no caminho de autocarro para casa, etc). É essa dualidade que o mantém interessante. Utilizo o Tweetbot para mesmo assim poder filtrar o que me interessa.

 

Youtube

 

A app onde passo o tempo roubado à televisão, que este ano foi quase todo. Deixei de perseguir horários, programar gravações na box e de acompanhar quase todas as séries (tornei-me mais seletivo, pelo menos). Dei por mim a seguir um conjunto de pessoas que produzem vídeos de razoável qualidade a partir de estúdios improvisados em dormitórios universitários e salas de estar. Não dá propriamente para comentar no dia a seguir junto do watercooler, mas quem me conhece sabe que também não sou esse tipo.

 

Instagram

 

Tenho uma relação difícil com o Instagram, por ser uma aplicação cujo consumo obriga eventualmente à participação. Somos levados a querer participar, mostrar aquilo que estamos a ver e receber feedback instantâneo sobre as nossas fotografias. No flickr, sinto que estou a folhear uma revista de fotografia. No instagram, a sensação é de estar num safari fotográfico, em que estamos todos a competir pelo ângulo mais original. Às vezes tem piada, outras nem tanto. Não deixo de usar, porém.

 

Lisboa.MOVE-ME (site)

 

Tem muitas limitações e problemas (a começar pelo nome confuso), pode ser vastamente aperfeiçoada ao nível da usabilidade, mas já se provou útil, ao ponto de a ter passado para a primeira página do ecrã principal. Agora já sei se posso ficar mais alguns minutos em casa até chegar o próximo autocarro ou se preciso de correr para apanhar aquele que está a passar. Ainda pode ser muito melhorada, mas para quem depende de transportes públicos em Lisboa, já é um começo.

 

Nike+ (site)

 

A aplicação que me pôs novamente a correr em 2013 (a segunda, se contarmos com a anterior..). Merecia um post à parte, só para listar as coisas de que gosto nela, a começar pela forma como dá para notar as escolhas e compromissos alcançados ao nível das funcionalidades e usabilidade. Quem fez esta app, sabia exatamente o que queria que as pessoas pudessem tirar dela, nem mais nem menos. Tornou-se tão necessária que sem telemóvel não há corrida para o Pedro.

18/06/13

app: Yahoo! Weather

Um momento flickr diferente.

 

A imagem acima é um screenshot da app de meteorologia do Yahoo para iPod e iPhone, que mostra o estado do tempo em cima de fotografias encontradas no flickr da respetiva localização.

 

Esta manhã, ao espreitar a app, encontrei a foto acima de Lisboa, feita pelo Benjamim Silva, aka Fotoben.

 

Além do design minimalista (premiado na semana passada pela Apple nos seus prémios anuais de design), não podia deixar de gostar desta ligação que a app faz à comunidade flickr para mostrar diferentes fotografias do sítio onde estamos (escolhidas automaticamente de acordo com o estado do tempo e altura do dia). É tão fixe que dou por mim a abrir a app ao longo do dia só para ver que fotografia de Lisboa aparece.

 

O objetivo do Yahoo/flickr é reunir suficientes fotografias que permitam ilustrar o estado do tempo em qualquer canto do globo. Quem quiser participar com as suas fotografias, e um dia destes vê-las na app, pode fazê-lo na página do Project Weather.

15/06/13

apps: o novo Shazam para iPad


Por aqui já se falou (e deslumbrou) da "magia" por trás da app Shazam, que utiliza o microfone do telemóvel e a sua ligação à net para identificar qualquer música que esteja a ser reproduzida, e pensei que ficaria por aí, mas a aplicação aprendeu mais alguns truques recentemente, como o vídeo acima descreve.

A nova versão do Shazam para iPad permite deixar a app a correr no fundo, com o microfone ligado e a analisar tudo o que ouve, enquanto vemos séries de televisão ou vídeos no YouTube. Ao abrir novamente, a app apresenta a lista de todas as músicas que conseguiu identificar à nossa volta durante esse tempo.

Uma aplicação que grava e envia para análise remota todos os sons em nosso redor é o tipo de descrição que vai asseguradamente causar arrepios a alguns, sobretudo nos tempos que correm, em que voltou à baila a questão da privacidade perante estados cada vez mais apetrechados de recursos tecnológicos e jurídicos para vigiar os seus cidadãos e estrangeiros. Numa tentativa de sossegar alguns desses receios, a aplicação oferece, ao abrir, a desconcertante garantia de que o Shazam "não consegue perceber o que dizes".

Não me admirava que o Shazam, com as suas capacidades, já estivesse na mira de algumas agências obscuras norte-americanas..

01/05/13

dar uma volta: pela nova app da CGD

 

Não sei dizer exatamente quando, mas a Caixa Geral de Depósitos lançou há poucas semanas a sua primeira ofensiva no mercado de aplicações nativas para dispositivos móveis. A nova aplicação está disponível para Android, iOS e Windows 8. A minha experiência de utilização até agora, em iPod e iPad, tem sido boa, ao ponto de ter passado a preferir utilizar a app ao site de home banking da CGD - o que não deve causar surpresa a quem conhece o site da Caixa Directa. Como é uma daquelas coisas com potencial para melhorar um bocadinho as nossas vidas já apressadas e conectadas, achei que valia a pena destacá-la aqui, exclusivamente da perspetiva de um utilizador.

 

 

Letras grandes, bom esquema de cores, navegação por arrasto, parece estar tudo lá. Uma das minhas coisas preferidas são os gráficos em anel que oferecem uma visão global do estado da conta. Há mais alguns gráficos espalhados pela app, incluindo um que ajuda a visualizar o histórico de movimentos, por exemplo. Interagir com alguns deles causou o crash da app, mas tirando os bugs ocasionais é como ter um tabliê com vários mostradores aplicado à nossa conta bancária. É uma direção que pode ser seguida com ainda mais possibilidades (empregando gráficos para simulações de todos os tipos) na versão desktop da Caixa Directa.

 

 

É uma boa altura para referir que estas imagens da app são screenshots capturados do vídeo de apresentação da app.

 

 

 

Também acho interessante a forma como a aplicação promove e destaca algumas ações. Não apetece carregar no botão laranja e poupar imediatamente 15€? Acho sempre piada aos pequenos truques (de cor, forma, posicionamento, etc) que é possível pregar à nossa perceção das coisas.

 

 

 

A app também permite contactar diretamente e piscar o olho ao nosso gestor de conta. #constrangedor

 

 

Menos bem conseguida é a área de personalização de cartões de crédito (não que tenha ou queira ter um). Quando tentei inserir uma imagem minha fui parar a esta página.


Outro aspeto em que tropecei ao experimentar a app é o método de validação de transferências e operações de pagamento. O cartão matriz é uma opção boa para quem está sentado frente a um computador, não tanto para quem está na rua ou em movimento. O envio de uma senha de confirmação por SMS já é suportado no site da Caixa Directa, mas ainda não parece estar disponível nas apps. Permitir escolher o método de validação é capaz de melhorar a fluidez dessas operações na app.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.