Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

19/12/19

Márcia

Márcia no SAPO e no Coliseu

"Vem passar por dentro da tempestade", canta a Márcia, e foi essa a sensação que ficou de ouvi-la ontem à noite, bem no meio da sala do Coliseu dos Recreios, enquanto a depressão Elsa passeava lá fora.

Fui sozinho, sem guarda-chuva (molhado, portanto) e sem grande vontade de sair de casa, mas saí recarregado de boas vibrações e com a vontade de ter ficado mais um bocadinho a ouvi-la - o indicador de um bom concerto.

Sou marciano desde a primeira vez que a ouvi a cantar Deixa ser com o David Fonseca, embora só a tenha visto pela primeira vez ao vivo em junho, no Porto. O seu quinto álbum Vai e Vem, de 2018, é o que conheço melhor e é uma preciosidade feita de pequenas preciosidades com 2 a 3 minutos.

No início de dezembro, bom destino, a Márcia visitou o SAPO, para uma mini-atuação transmitida na net, e pude dizer-lhe na primeira pessoa o quão especial foi o concerto no Porto. Além dos técnicos e da equipa de comunicação, eu e uma colega éramos os únicos espetadores na sala. Não é todos os dias que temos uma das nossas artistas preferidas a atuar ao vivo só para nós (vá, vamos esquecer as pessoas que sintonizaram pela internet). E foi tão acessível e carismática quanto a sua música sugere. Só alguém assim me faria querer e atrever a pedir a fotografia acima.

Ontem foi um bocadinho diferente, com mais algumas pessoas na sala.. tratou-se do seu primeiro grande concerto a solo e deu para sentir a sua emoção com a chegada a este ponto da carreira. Fez vários agradecimentos ao público, mas o "Obrigado por me trazerem até aqui" foi o mais bonito que me ficou na memória.

Quanto a mim, o que me fascinou mais foi sentir aquele ligeiro arrepio quando começavam as minhas canções preferidas. Depois de horas e horas de audição no Spotify, reconhecê-las fora de casa é um pouco como sair à rua de pijama..

Um dos pontos altos da noite foi cantado com a ajuda do público a partir do camarote presidencial do Coliseu. Não conhecia a sua versão d'A presença das formigas, de Zeca Afonso, mas a liberdade nunca soou tão doce quanto pela voz da Márcia:

Liberdade liberdade
Quem disse que era mentira
Quero-te mais do que à morte
Quero-te mais do que à vida

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.