Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

01/04/14

7 anos de Blogs

Nunca pensei que fosse um trabalho que durasse para lá do primeiro verão e hoje apercebi-me que faz este mês 7 anos desde que comecei a trabalhar, a sério e tempo inteiro, com blogs. O melhor que posso dizer deste trabalho, e de todas as coisas boas que me proporcionou até aqui, é isto: é o melhor sítio que eu podia ter esperado encontrar para aprender novas coisas, mexer em áreas que me interessam (internet, comunidades e o que acontece quando as duas se cruzam) e, inesperadamente importante, crescer com os meus erros. Não é qualquer sítio, nem qualquer chefe, que nos dá esse espaço para crescer, sobretudo quando se entende crescer como algo mais do que acumular conhecimentos.

 

Algumas das coisas que aprendi nestes 7 anos:

- trabalha-se em equipa, dentro de uma empresa, mas sempre para algo que está lá fora, para alguém que pode estar do outro lado do mundo ou só cruzar-se com o nosso trabalho daqui a anos, mas que mais cedo ou mais tarde, vai contactar com as nossas decisões e valores. É por isso que é importante pensar nas escolhas e compromissos que vamos fazendo ao longo do percurso. Não vamos acertar sempre, e nesta área o mais provável é passar de certo a errado em pouco mais de 6 meses, mas temos de estar prontos a explicar o porquê dessas escolhas.

- a ser o meu próprio chefe: não há horário, picagem ou pessoa que se possa substituir à nossa consciência e ética de trabalho. Devo parte dessa descoberta à Jonas, que nunca me vigiou (e quero acreditar que também por não ter precisado) em relação a qualquer aspeto do meu trabalho.

- a definir o nosso próprio trabalho: parece que me estou a repetir em relação ao que digo acima, mas é diferente. Significa olhar para o lugar que ocupamos, para as responsabilidades que nos confiaram e perguntar: "isto é tudo aquilo que preciso de fazer?" Podemos chegar à conclusão que há mais ou menos coisas que devíamos estar a fazer, mas o importante é perceber que essa definição também parte de cada um, que não há ninguém que possa definir absolutamente, e por nós, aquilo que sabemos, podemos e devemos fazer. É uma pergunta que me estou sempre a colocar, não para responder com mais ou menos coisas, mas para me certificar que estou a fazer aquilo que é importante. Mais ninguém pode colocar esta pergunta por nós.

-decorre do ponto acima: aprender a dizer não. E atenção que há muitos tipos de nãos, a começar por aqueles que nos tocam: quando alguém confia em mim o seu tempo e as suas expetativas, tenho de ser o primeiro a estar disposto a avaliar e dizer que não sou capaz ou a escolha certa.

- relacionado com o item acima: é saudável, mesmo que não possamos fazer muito em relação a isso, saber reconhecer um frete.

- aprendi, graças à Jonas, a não ter medo de contactar diretamente com os destinatários do nosso trabalho. Podemos escolher as palavras erradas (tenho um pequeno grande historial que cabia aqui, com fails meus a esse nível), podemos até ter de assumir que errámos, mas recuso a ideia de que é possível trabalhar em algo e estar isolado das pessoas para quem, no fim de contas, se trabalha.

- uma lição válida para a vida e plataformas de blogs: não podemos ser tudo para todos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.