Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

horizonte artificial

ideias e achados.

achados: Barbara Hannigan

Aproveitei a dica do Luís e fui assistir à exibição do documentário "Intervalo" de Tiago Figueiredo sobre a Orquestra Gulbenkian, a propósito dos seus 50 anos. É uma autêntica visita de estudo cinematográfica ao backstage da Orquestra e quotidiano de todos os que lá trabalham, dos músicos até aos técnicos de luz e som que ajudam a preparar cada concerto. Só por isso já pode ser considerado uma hora bem passada, mas o que me surpreendeu mesmo, e para mim roubou o espetáculo, foi Barbara Hannigan.

A soprano canadiana passou pela Gulbenkian no início do ano com a sua interpretação da ária Mysteries of the Macabre, de György Ligeti, e o excerto da sua atuação, onde além de cantar também conduz a Orquestra, é um dos pontos altos de "Intervalo", sobretudo para quem vai com uma ideia já definida de como um maestro e uma orquestra se devem comportar. Se quiserem ver do que falo, basta carregar Play no vídeo abaixo, e ver Hannigan na dupla condição de maestrina e soprano a desempenhar o papel de uma "paranóica chefe de uma polícia secreta".

Estou quase disposto a apostar que foi a primeira vez que a Orquestra Gulbenkian atuou com uma maestrina apropriadamente vestida para uma sessão de S&M a seguir ao concerto.



Vale a pena ler a entrevista e a sua biografia no site da Fundação para ficar com mais algumas luzes sobre o seu percurso, que é um bocadinho mais convencional do que o cabedal pode fazer parecer:

a grande lição transmitida pela minha primeira professora foi a de correr riscos. E aos 19, 20, 21 anos, quando tinha um concerto, no final ela vinha ter comigo e dizia-me «estou tão orgulhosa de ti por teres arriscado». E a repetição dessa frase deu-me talvez a coragem de continuar a arriscar.


"Intervalo" volta a ser exibido no Grande Auditório da Fundação esta sexta-feira (hoje, portanto), às 17h, com entrada livre. Entretanto, vou tentar conformar-me por ter perdido o concerto do ano, quem diria, na alcatifada Gulbenkian.