Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

17/12/13

arte na rua: o túnel pedonal de Alcântara

Se há uns tempos me tivessem dito que um dia ia entrar no túnel pedonal de Alcântara ao início da tarde e só voltaria a sair de lá à noite, existem mais hipóteses de achar que teria sido vítima de alguma coisa do que participante num projeto de reabilitação urbana. Foi o que aconteceu hoje, em que respondi ao apelo da Câmara de Lisboa por voluntários para ajudar a terminar de pintar as paredes do túnel.

Escadas rolantes avariadas, sujidade, infiltrações, zonas sem iluminação ajudam a compor o quadro de degradação que tomou conta do túnel há já vários anos (décadas?). Só restou mesmo a necessidade de passar por ali, para quem precisa de chegar à estação ferroviária ou de atravessar a Avenida da Índia. Quem por ali já passou sabe que é um daqueles sítios onde se apressa o passo e apura-se os sentidos.

A experiência hoje foi muito diferente. Apetece espreitar todos os cantos, subir cada escadaria e perder tempo a procurar diferentes ângulos para o Instagram. O túnel transformou-se numa galeria de arte urbana com 1400 metros quadrados. É o resultado de uma intervenção de arte urbana, em que a expressão não podia ser mais exata: a arte veio ao auxílio da urbanidade.

A notícia do Público explica tudo o que interessa saber sobre a iniciativa de Octávio Pinho, que com a ajuda da Associação Portuguesa de Arte Urbana (Apaurb) e de algumas centenas de voluntários, têm estado a pintar o túnel desde Agosto (eu só fiquei a saber de tudo isto na semana passada). A Câmara e as empresas que gerem a estação autorizaram (a custo zero) o projeto e envolveram-se entretanto na reparação da estrutura (luzes, canalização, etc). Mesmo que as pinturas não durem, sempre foram repostas as condições básicas de segurança e salubridade.

Hoje já só resta pintar o chão e algumas paredes das escadarias, mas ainda há trabalho para quem possa dispensar algumas horas do seu dia. Basta falar com o Octávio, que costuma estar por lá durante a semana, da parte da tarde. Não vale a pena fingir que entendi completamente a sua motivação, mas ele viu potencial onde toda a gente só via um lugar insalubre a evitar. A ideia, o esforço (reparem no tecto!) e a oportunidade de contribuir com algumas pinceladas conquistou o meu respeito e mais do que justificou o dia tirado.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.