Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

28/10/13

notas avulsas: sobre o novo flickr

Já não é tão "novo" quanto isso: o site foi remodelado em Maio deste ano.

 

A última vez que publiquei lá uma fotografia foi em Outubro de 2012.

 

Sigo 128 utilizadores, dos quais 60 publicaram alguma coisa nos últimos 6 meses. Nada mau, mesmo assim.

 

A ideia principal da remodelação de Maio parece ter sido encher o ecrã, explodindo o tamanho das imagens e agrupando-as em mosaicos de tamanhos variáveis. A popularidade dos dispositivos móveis (e do formato instagram) deve ter sido um dos principais fatores a influenciar estas alterações.

 

A minha experiência do site esbarra logo aí. Não consigo navegar durante muito tempo por esses mosaicos sem o meu browser acusar problemas e voltar ao início da página, o que é incrivelmente frustrante quando já passámos por dezenas de fotografias e queremos voltar ao ponto em que estávamos. A voragem de imagens ainda parece ter os seus limites técnicos.

 

As fotografias têm mais destaque, mais espaço para respirar e o conjunto das fotografias parece mais interessante quando visto em mosaicos, mas sinto falta de algo no qual o antigo flickr era pródigo: espaço negativo.

 

Espaço negativo: o poder e a magia de uma fotografia não começa nem acaba no tamanho em que é vista. O antigo flickr podia ter muitos defeitos, mas havia uma certa paridade na forma como todas as imagens eram apresentadas no mesmo tamanho e em iguais circunstâncias. Agora, no "novo" flickr, estamos sempre dentro da fotografia, que enche o ecrã. Qualquer clique ou gesto ativa uma ação sobre a imagem ou a navegação. A moldura é o nosso ecrã.

 

Encher a página a toda a largura e altura coloca outros problemas ao nível da navegação. Não tenho sido um utilizador regular, como comecei por dizer, por isso não estou tão habituado ao novo layout, mas sinto-me constantemente perdido quando estou a navegar entre as diferentes áreas do site.

 

Não percebo a barra de navegação do Yahoo, que fez a sua aparição por altura da remodelação do site. Não acrescenta nada à experiência Flickr, só subtrai.

 

O flickr surgiu numa altura em que conseguia dar um pouco de tudo a quase todos, fossem criativos, artistas, fotógrafos de casamentos e batizados ou fotojornalistas. A pouco e pouco, surgiram outros serviços que foram erodindo alguns dos seus públicos: o tumblr ficou com os artistas e coleccionadores, o facebook com os fotógrafos de domingo, o instagram com os amadores e mais espontâneos. Só parecem ter ficado os mais profissionais e veteranos do serviço, o que parece explicar algumas das alterações feitas acima.

 

Estou dividido em relação ao novo flickr. Mais e maiores parecia ser a direção óbvia e indispensável para um serviço de imagens que tinha parado de evoluir, só não sei até que ponto isso pode ter introduzido mais ruído visual e descaraterizado o serviço tal como o conhecia.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.