Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

21/10/15

"Vai e põe uma sentinela": o lado lunar do romance que cativou o mundo

vaiepoeumasentinela.jpg

Nota: li a versão original, Go Set a Watchman, mas neste post uso o título da tradução portuguesa, Vai e põe uma sentinela, editada pela Editorial Presença.

 

Deve o esboço de um livro, há muito esquecido e até certo ponto renegado pela sua autora, ser publicado? Sobretudo quando promete abalar a percepção de outra obra acarinhada por milhões de leitores?

 

“Vai e põe uma sentinela” foi escrito primeiro, mas dois anos de revisões produziram “Por favor, não matem a Cotovia?”, o único livro que marcava, até agora, a carreira literária da autora norte-americana, Harper Lee. Publicado em 1960, “Não matem a Cotovia” tornou-se numa espécie de tesouro literário da América, pela serenidade da sua mensagem de igualdade e justiça aliada a um nostálgico retrato da infância.

 

A polémica à volta de "Vai e põe uma sentinela" envolve questões sobre a forma como o seu manuscrito foi descoberto pelos representantes legais de Harper Lee e como a autora, debilitada pela idade, deu o aval à sua publicação. A tradução portuguesa do livro chega hoje às mãos do público, pelo que só resta responder às questões de caráter literário: é um bom livro por mérito próprio? Ou não passa de um rascunho que devia ter ficado na gaveta? O seu conteúdo trai, de algum modo, a história e os personagens que os leitores já conhecem?

 

Apesar de conter os indícios que dariam origem ao primeiro livro a ser publicado, “Sentinela” é um livro acabado e diferente. Escrito a partir do ponto de vista de Jean Louise, agora com 26 anos e a viver em Nova Iorque, a sua história tem lugar quase 20 anos depois dos eventos descritos em “Não matem a Cotovia” e com o movimento dos direitos civis dos negros como pano de fundo.

 

Ao regressar à sua terra natal, Maycomb, Jean Louise espera reencontrar as pessoas e os locais da sua infância inalterados pelo tempo, mas o presente tem necessidades mais urgentes. A maior prova disso é a revelação de que o seu pai, o advogado Atticus Finch, aceitou participar num conselho de cidadãos oposto ao reconhecimento de direitos políticos à maioria negra da população de Maycomb.

 

No primeiro livro, Atticus é o único defensor público que aceita representar (e consegue ilibar) um jovem negro de uma acusação falsa de violação. Não é fácil conciliar esse exemplo de justiça e retidão com o Atticus racista e calculista que a história agora publicada apresenta. A revelação desencadeia em Jean Loiuse uma rejeição do pai e do seu modelo moral. Para um leitor de “Não matem a Cotovia”, que tenha sido cativado pela sua idealização de Atticus, o desnorte não é menor.

 

A um nível metatextual, o desapontamento sentido pelo leitor dos dois livros em relação à figura de Atticus causa um certo fascínio, na medida em que esse efeito decorre de um contacto anterior com o personagem que não foi planeado ou previsto pela autora. A deceção de Jean com Atticus espelha o sentimento de quem lê o segundo livro e sente que perdeu um exemplo de virtude, ainda que ficcional.

 

“Vai e põe uma Sentinela” é um livro igualmente fascinante pelo vislumbre que oferece do processo criativo na origem de “Não matem a Cotovia”. Os dois livros parecem tocar-se nos momentos em que Jean Louise recua na memória até à sua infância, passada com o irmão Jem. Lee sabe evocar com imaginação e habilidade a magia e a inocência da infância. O novo livro, e os episódios de infância da protagonista que nele constam, dão sentido à opção de Lee, nos anos 50, de voltar atrás e rescrever “Sentinela” a partir do ponto de vista de uma criança.

 

Sem a história agora vinda a público, o primeiro livro nunca teria sido possível. Ao mesmo tempo, é por ter sido escrita primeiro, e contar uma história diferente, lunar e de perda de inocência, que "Sentinela" merece ter sido encontrado e lido.

 

O final de “Vai e põe uma Sentinela” é algo inconclusivo e abre o livro a críticas de um certo conformismo e até condescendência. Em qualquer caso, é uma história que lembra como, apesar da mudança das leis, restam sempre as consciências individuais. Tal como a segregação racial, no seu tempo, ou os direitos LGBT, no nosso, há um intervalo entre as leis e as mentalidades, que leva o seu tempo a ser fechado. A tolerância não pode ser cultivada com intolerância é mais um eco da mensagem de “Não matem a Cotovia".

 

O novo livro não é uma "traição" da história conhecida desde os anos 60. É o recontar da mesma lição, a partir de um perspetiva diferente. Pode dizer-se que “Vai e põe uma sentinela” é a versão mais adulta e exigente de “Não matem a Cotovia”, na qual questões sobre a desigualdade, o progresso e a vida adulta sublinham a responsabilidade intransmissível de cada um formar e seguir a sua própria consciência.

01/10/15

Trilho dos Pescadores: a minha etapa preferida e a que faltava

No final da semana passada, tirei partido do bom tempo para completar o Trilho dos Pescadores, depois de há algumas semanas ter deixado a etapa entre Zambujeira do Mar e Odeceixe por fazer.

IMG_3412.jpg

Como tinha três dias, decidi aproveitar a oportunidade e repetir a etapa entre Vila Nova de Milfontes e Almograve. É uma das etapas mais curtas do Trilho (15km) mas também uma das mais estimulantes, por atravessar diferentes paisagens e cenários - há praias, falésias, dunas, matos e até terrenos agrícolas. No final, chegamos a Almograve, uma pequeníssima e acolhedora localidade com tudo à mão: pousada, restaurantes e praia. Por tudo isto, passou a ser uma das minhas etapas preferidas do Trilho dos Pescadores.

IMG_3428.jpg
No segundo dia, apanhei um táxi de Almograve para a Zambujeira do Mar e retomei o trilho onde o tinha deixado em setembro. O dia começou com uma neblina cerrada, pelo que passei a manhã a subir e descer falésias sem conseguir avistar o mar lá em baixo. Embora não tenha conseguido ver muito, fiquei com a noção de que esta tem de ser uma das etapas mais dramáticas da costa. O perfil longitudinal do percurso podia ser o de uma montanha-russa.

IMG_3466.jpg

Ao longo do caminho, há pequenos cursos de água a precipitarem-se do topo da falésia em direção ao mar. O trilho deixa assistir a tudo isto de bem perto. É a etapa que menos me vejo a fazer em dias de chuva, devido à possibilidade de escorregar (embora tenha visto algumas pessoas contornarem os declives mais acentuados).

A recompensa, todavia, vale o esforço. A neblina dissipou a meio do dia e permitiu usufruir de uma das paisagens mais belas de todo o Trilho.

IMG_3502.jpg

Depois de passar o assombroso porto da Azenha do Mar, que se assemelha a um estaleiro de rochedos gigantes, surge a vista única sobre a praia de Odeceixe. Observada dali, a partir do alto e de um local só alcançável a pé, a praia de Odeceixe parece ao mesmo tempo tão paradisíaca quanto inacessível.

Mais à frente, passando os campos agrícolas onde as nuvens no horizonte pareciam estar prestes a aterrar, a tabuleta com o número de telefone para táxis não engana: os 4km que se seguem, feitos na estrada que liga a praia à vila, é a parte menos recompensante do trajeto.

IMG_3506.jpg

Uma noite em Odeceixe e o primeiro Expresso da manhã para Lisboa. Fica a vontade que o Trilho continuasse (e continua, mas num circuito de praia, que depois se junta à Rota Vicentina, que me parece menos interessante por ser feito em estrada) e o desejo de regressar mais vezes.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.