Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

21/08/12

Hopper no Thyssen

(clique para ampliar)

 

Esforço-me por aceitar que a proibição de fotografia nos museus é um convite (ainda que forçado) à contemplação, mas sinto falta muitas vezes de poder fazer um registo visual de algumas obras que chamam a minha atenção e cuja identificação não posso imediatamente anotar (ou seja, a fotografia como um auxiliar da memória).

 

Vem isto a propósito da pequena surpresa que o Museu Thyssen de Madrid tem reservada para aqueles que visitarem (até meados de Setembro) a sua exposição temporária dedicada à obra do pintor norte-americano Edward Hopper. Ao entrar na última sala da exposição, deparamo-nos com o cenário acima, a incrível recriação tridimensional da pintura "Morning Sun", da responsabilidade do realizador Ed Lachmann.

 

A fotografia que tirei e mostro acima, na realidade, é feita da junção de duas fotografias. De outro modo seria difícil mostrar aqui, por inteiro, o cenário construído para a recriação, que inclui uma tela onde é projetada a cidade que se avista da janela do quarto e holofotes que ajudam a reproduzir a luz do sol na pintura. De acordo com o museu, o objetivo da recriação é revelar ao olhar do visitante os artifícios e técnicas do cinema que Hopper usou na pintura. A invenção cumpre o seu objetivo e tem o efeito de colocar o visitante a olhar e tentar "entrar" no cenário através da moldura vazia.

 

 

É difícil resistir ao enquadramento e não experimentar subir ao degrau instalado a meio da sala, de onde os visitantes são desafiados a tirar uma fotografia do exato ponto no qual realidade e pintura se encontram. Os visitantes são ainda incentivados a partilhar no twitter as fotografias que fizerem nesta sala, com uma hashtag própria e acompanhadas de uma descrição original, para se habilitarem a ganhar algum merchandising do museu.

 

 

A exposição de Hopper é já de si um rebuçado para a vista, mas a recriação é uma boa surpresa e incrivelmente original na maneira como nos aproxima da arte em redor. E, voltando ao início deste post, é refrescante na medida em que reconhece um dos impulsos da maioria das pessoas que visita museus, que é sair deles com algo que possam mostrar ou contar mais tarde em relação ao que viram (idealmente, como aqui, as duas coisas).

Comentar:

De
(moderado)
Este blog tem comentários moderados.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres
Inserir emoticons

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.